É a obediência necessária para a salvação?

Posted by Marcelo Berti in VIDA CRISTÃ

OBEDIENCIASALVACAO

Por Marcelo Berti

A questão sobre a relação da obediência e a salvação não deve ser menosprezada, pois tal relação é evidente nas escrituras. Entretanto, a questão que se nos impõe nesse artigo é: A obediência produzir a salvação? Que existe deliberada relação entre obediência e salvação nas escrituras não se pode negar, contudo, devemos nos perguntar: Existe causalidade entre um e outro? É a salvação que promove a obediência, ou a obediência que promove a salvação?

Segundo nos instrui Mateus, o jovem rico teria perguntado ao nosso Senhor: “Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?” (Mat.19.16). A este Jesus respondeu: “Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos” (v.17). Ao que esse texto parece indicar, nosso Senhor ensina que a obediência à Lei é um requisito para a Salvação. Paulo também parece favorecer a esse conceito quando diz: “Não me atrevo a falar de nada, exceto daquilo que Cristo realizou por meu intermédio em palavra e em ação, a fim de levar os gentios a obedecerem a Deus” (Rm.15.18). Esse texto parece indicar que a missão de Paulo era de levar os gentios à obediência a Deus, como uma missão de salvação. Será que a obediência é necessária para alguém chegar a salvação?

1. A obediência como causa da salvação

Em primeiro lugar, devemos colocar em perspectiva o diálogo entre Cristo e o Jovem rico. Observe primeiramente que a questão do jovem estava equivocada: “Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?” (Mat.19.16). Esse jovem acreditava que a vida eterna era resultado da qualidade do seu esforço. Contudo, Cristo ao invés de exortá-lo pela incoerência de sua afirmação, Ele responde à altura da sua pergunta: (1) Primeiro ele qualifica o sentido do termo bom (Bom só tem um!) e então (2) Ele quantifica a extensão da bondade requerida (Obedeça os mandamentos!).

O plural do termo “mandamentos” indica que Cristo em em mente todos os mandamentos apresentados na Torá, ao invés de uma lista restrita. Em outras palavras, se bondade é o caminho da salvação, perfeição é necessária. Como a desobediência de somente um ponto da lei tornaria o homem culpado de toda ela (Tg.2.10), Cristo ensina nessa parábola que para o homem a salvação é impossível (Mat.19.26), se a obediência é o caminho escolhido. Em outras palavras, o foco dessa perícope não é estabelecer que a obediência causa a salvação, mas que a obediência a Lei não pode levar a salvação! 

Isso coloca por terra os argumentos infundados dos indoutos que defendem que a obediência é a causa da salvação. Há aqueles que se abstém do convívio dos incrédulos por não suportarem sua desobediência aos mandamentos divinos. Há aqueles que evitam e/ou são evitados por sua constante e irritante mania de tentar cercear a pecaminosidade de outros, como se isso fosse um serviço divino. Se sentem arautos da moralidade divina e querem impor suas preferências morais como forma de expandir a influência do Reino de Deus. Entretanto, todas essas iniciativas à parte da Graça encontrada Somente em Cristo não tem valor eterno e servem apenas para exaltar o ego do religioso orgulhoso que se considera juiz dos homens.

Alguns o fazem de modo tão persuasivo que existe pessoas que jamais encontraram a Cristo como salvador, mas por se submeterem a um rígido código moral (que eventualmente nem ético é) pensam ser portadores da luz divina, quando na verdade são apenas homens e mulheres enganados pela religiosidade vazia. Esse é o grande perigo do LEGALISMO! Ele impõe a obediência como fundamento da salvação e condena os desobedientes. É nada mais que uma perversão da verdade e um modo de aprisionamento religioso. Não salva e não pode salvar! É moralidade vazia, é legislação sem vida. É a mais cruel forma de aprisionamento religioso. É avesso à Cruz e a Cristo. É contra a Glória de Deus.

2. A obediência como salvação

Em segundo lugar, nós precisamos colocar em perspectiva algumas informações das escrituras relacionadas com a salvação e a obediência. Paulo, por exemplo, usava os termos “” e “obediência” de modo intercambiável. Observe que em Rm.1.8 ele afirma “que a vossa  é anunciada em todo o mundo“, mas em 16.19 ele afirma: “pois a vossa obediência chegou ao conhecimento de todos“. Nesse caso, Paulo usa o mesmo conceito em termos que parecem antagônicos. Entretanto, esse sentido é visto claramente em Rm.15.18: “Não me atrevo a falar de nada, exceto daquilo que Cristo realizou por meu intermédio em palavra e em ação, a fim de levar os gentios a obedecerem a Deus“. Aqui é evidente a consideração de Paulo sobre o início da fé como obediência a Deus. Obviamente ele não tem em mente a moralização do mundo, como alguém poderia sugerir, mas sua evangelização: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1Co.2.2).

Essa co-relação é também exposta em sentido negativo, pois Paulo quando refere-se a judeus não convertidos ele diz: “Porquanto, ignorando a justiça que vem de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se submeteram à justiça de Deus“. A não sujeição, ou desobediência à Justiça que vem de Deus faz com que os judeus estejam fora da participação da fé salvadora. De modo semelhante Paulo diz em Rm.10.16: “No entanto, nem todos obedeceram ao evangelho“. A resposta ao evangelho foi entendida por Paulo como um ato de obediência, mas isso não significa que a obediência seja o meio de recebimento da salvação. Isso significa que a fé em Cristo é uma resposta obediente ao decreto salvífico de Deus.

Esse conceito é bem visto na conhecida declaração de Paulo sobre os gentios e judeus, antes e depois da fé, em Rm.11.30-32: “Assim como vocês, que antes eram desobedientes a Deus mas agora receberam misericórdia, graças à desobediência deles, assim também agora eles se tornaram desobedientes, a fim de que também recebam agora misericórdia, graças à misericórdia de Deus para com vocês. Pois Deus colocou todos sob a desobediência, para exercer misericórdia para com todos”. Em 2Co.9.13 a fé é vista como a submissão da confissão do evangelho de Cristo: “glorificam a Deus pela obediência da vossa confissão quanto ao evangelho de Cristo”. Nesse texto a NVI traduziu a obediência que acompanha a confissão, o que segmenta o conceito de “obediência como demonstração de fé” em “obediência que segue a confissão“. Caso seja isso verdadeiro, a fé acontece antes da obediência, o que nos soa muito mais sensato.

O que isso nos instrui é que, para Paulo, a aceitação da mensagem aparece com um ato de obediência, pois a mensagem do evangelho está centrada no reconhecimento de Cristo morto e ressurreto como Senhor além de exigir a renúncia da autocompreensão antes da fé, e a inversão da direção volitiva (i.e. conversão). Essa obediência da fé é de fato a obediência verdadeira, aquela que a lei havia exigido, mas pelo mau uso da lei os judeus a reprimiram e instituíram a justiça própria como meio para se gloriarem nas obras da lei. Contudo, a atitude do homem debaixo da fé é radicalmente antagônica a do judeu, observe: “Pois quem é que te faz sobressair? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te vanglorias, como se o não tiveras recebido? (1Co.4.7). Isso por que a Salvação oferecida por Deus tem por objetivo “que ninguém se glorie” (1Co.1.29; Ef.2.8-9), mas “aquele que se gloria, glorie-se no Senhor” (1Co.1.31; 2Co.10.10), como o fez Abraão (Rm.4.20).

A implicação dessa submissão a Cristo como Senhor para participação da fé, não significa que a salvação vem pelo reconhecimento e submissão do senhorio de Cristo, mas implica na inabilidade das obras pessoais, ou da justiça própria para a salvação. É o reconhecimento humilde da impossibilidade de auto-salvação, e a plena dependência aos méritos de Cristo como único mediador entre Deus e os homens. Em outras palavras, crer é obedecer, ou submeter-se a Deus. Com essa compreensão em mente, podemos compreender o que Paulo que dizer quando chamou os judeus de rebeldes em Rm.15.31 (eles não crêem, portanto rejeitam).

Nesse sentido, a concepção de Paulo afirma que a fé não acontece primariamente com arrependimento e conversão (demonstrado pelo pouco uso que essas palavras tem na literatura paulina), mas com a obediência que renuncia a justiça própria. O princípio fundamental, portanto, é que a Graça divina foi manifesta em Cristo Jesus (Rm.3.21-4) que agora conclama todos os homens (1Tm.2.4; Tt.2.11) para si mesmo (2Co.5.19) por meio do ministério da igreja (1Co.1.21), e a fé (Ef.2.8) é a resposta obediente a esse chamado.

3. A salvação como causa da obediência

Por fim, precisamos colocar em ordem a relação entre salvação e obediência. Como já demonstrado, a obediência é incapaz de produzir a salvação. Também já vimos que eventualmente as escrituras (especialmente Paulo) usa o conceito da fé salvadora como um ato de obediencia. Agora, resta-nos demonstrar que a obediência verdadeira é produzida pela salvação. É Pedro quem nos ensina que os eleitos são eleitos para a obediência, e não o inverso: “eleitos, segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo” (1Pe.1.2). As preposições aqui fazem toda a diferença e merecem ser observadas com atenção. As expressões “segundo” (prep. gr. κατα), “em” (gr. εν) e “para” (gr. εις) são usadas com cada uma das pessoas da Trindade e oferecem a descrição do processo da salvação.

(1) Os cristãos são eleitos por Deus segundo a presciência divina, e não por causa da presciência divina. Em outras palavras, o conhecimento prévio de Deus não foi a causa da escolha, mas a escolha estava em conformidade com ela. Para Pedro a determinação divina e Seu conhecimento antecipados dos fatos não estavam em conflito (At.2.23), e representam a Suprema Soberania Divina sobre a história humana (1Pe.1.20).

(2) Os cristãos são eleitos por meio da santificação do Espírito Santo. A preposição grega εν aqui funciona como um um dativo de instrumentalidade que manifesta o meio pelo qual a ação da eleição é realizada. Em outras palavras, “Deus [n]os escolheu para serem salvos mediante a obra santificadora do Espírito” (2Ts.2.13). É a ação do Espírito Santo o meio pelo qual a eleição é realizada. Isso manifesta que a ação humana em resposta à escolha divina é precedida/acompanhada pela obra Santificadora do Espírito Santo.

(3) Os cristãos são eleitos para a obediência. Por fim, a ação divina é que aquele que foi salvo por sua Graça seja então obediente. A obediência, portanto, segue a obra santificadora do Espirito Santo, e consequentemente é parte da manifestação da mesma. A também preposição εις manifesta o objetivo pelo qual nós fomos salvos, isto é, nos fomos salvos para obedecermos. Isso é complementado pela expressão “aspersão do sangue de Jesus Cristo“, que denota a consagração ministerial (cf. Ex.29.21; Lv.8.30; Hb.10.22).

Em outras palavras, as escrituras afirmam que a salvação precede a obediência, e que na verdade, a eleição é o fundamento da obediência cristã. Isso não significa que homens não regenerados não possam agir em conformidade com a estipulação moral divina (Rm.2.14-15; cf. At.10.1-2), mas segundo a escritura a tal conformidade não é fundamento para a salvação. O evangelho é necessário para a salvação (cf. At.4.12; At.10.36-43), e para o salvo a obediência é exigência (1Jo.2.3-11; cf. Para o Cristão a Obediência é Exigência).

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.

Comments Closed

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.