Como vencer a ansiedade

Posted by Silas Alves Figueira in VIDA CRISTÃ

VENCER A ANSIEDADE

Por Silas Alves Figueira

Texto Base: Mateus 6.24-34

INTRODUÇÃO

Uma grande crise se instalou em nosso país, e porque não dizer no mundo. Vivemos dias em que cada vez mais ouvimos falar em corrupção, perda de emprego, roubalheira das mais diversas em todas as instâncias do governo, a justiça que não prevalece… Olhamos ao redor e diante de tanta crise, se não tivermos cuidado, seremos engolidos por uma total desesperança.

No entanto, o texto de Mateus 6.24-34 nos renova a fé. Nos trás esperança e renova a nossa confiança no Senhor que nos guarda. Mas para isso devemos vigiar, pois a tentação é muito grande. E essa tentação é a de servir a dois senhores. A tentação de abrir mão do cuidado de Deus por nós e nos embrenharmos por um caminho extremamente perigoso. O caminho que nos leva a perder a fé no Senhor e em seu cuidado e partirmos a buscar outro senhor para cuidar de nós, dos nossos interesses e dos nossos entes queridos.

Quando perdemos a fé que o Senhor tem poder para cuidar de nós, automaticamente, nos vemos tomados por uma extrema preocupação. É aquilo que o Senhor chama de ansiedade.

PARA VENCERMOS A ANSIEDADE NÓS DEVEMOS EM PRIMEIRO LUGAR DEFINIR A QUEM IREMOS SERVIR (Mt 6.24).

Jesus aqui é enfático ao dizer que nós não podemos servir a dois senhores. Isso é impossível. Isso é algo que para o Senhor é inviável. E Ele nos dá duas razões básicas:

1º – Porque o amor não pode ser divido (Mt 6.24a). Se você ama um não pode amar ao outro, pelo contrário, irá aborrecer o outro. Pode-se trabalhar para dois empregadores, mas nenhum escravo pode ser propriedade de dois senhores, pois ter um só dono e prestar serviço de tempo integral são da essência da escravidão [1].

Por que falamos isso? Porque vezes seguidas, nas páginas das Escrituras, os crentes são referidos como escravos de Deus e escravos de Cristo. De fato, enquanto o mundo exterior os chama de “Cristãos”, os crentes primitivos repetidamente referiam a si mesmos, no Novo Testamento, como escravos do Senhor (Rm 1.1; 1Co 7.22; Gl 1.10; Ef 6.6; Fl 1.1; Cl 4.12; Tt 1.1; Tg 1.1; 1Pe 2.16; 2Pe 1.1; Jd 1; Ap 1.1) [2].

E a expressão servir no grego é doulenein, que é servir como escravo. Então na condição de escravo eu devo ter um só senhor e amá-lo incondicionalmente. Por isso que amar ao Senhor e as riquezas é impossível. Como disse o apóstolo Paulo em 1 Timóteo 6.10:

“Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores”.

Na condição de escravo, tem que haver total fidelidade sem reservas, porquanto o escravo não tinha vida própria, mas tudo fazia segundo a vontade do seu “senhor”. É claro, portanto, que tal serviço não pode ser prestado a dois senhores [3].

2º – Porque a adoração não pode ser dividida (Mt 6.24b). O homem que cuida das coisas espirituais procura apenas um tesouro, isto é, o tesouro dos céus (Mt 6.19-21).

Não podemos servir a Deus e as riquezas, ou seja, não podemos servir ao Criador dos céus e da terra, ao Deus Vivo e qualquer objeto de nossa própria criação que chamamos de “dinheiro” (Mamon é uma transliteração da palavra aramaica para riqueza) e, nesse contexto, representa também os interesses mundanos. Não podemos servir aos dois [4].

A riqueza é uma grande tentação. Não que seja pecado ser rico, o pecado está em confiar nela como se ela fosse um deus; e na verdade, para muitos, ela é um deus. Por isso o apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo nos alerta a respeito disso:

“Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos. Você, porém, homem de Deus, fuja de tudo isso e busque a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança e a mansidão” (1 Timóteo 6.9-11 – NVI).

E em Eclesiastes 5.10 nos diz:

“Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância nunca se farta da renda; também isto é vaidade”.

E o próprio Jesus alertou os seus discípulos sobre esse perigo:

“Então, Jesus, olhando ao redor, disse aos seus discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! Os discípulos estranharam estas palavras; mas Jesus insistiu em dizer-lhes: Filhos, quão difícil é [para os que confiam nas riquezas] entrar no reino de Deus! É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus” (Marcos 10.23-25).

A tentação é grande, mas uma vez eu repito. Não pense que nós não seremos tentados. Não pense que estamos isentos de passarmos por isso. Nós não somos intocáveis. Por isso que o apóstolo Paulo escrevendo aos Coríntios disse:

“Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia” (1 Coríntios 10.12).

EM SEGUNDO LUGAR, PARA VENCERMOS A ANSIEDADE DEVEMOS TER UMA FÉ RACIONAL (Mt 6.25,31).

Jesus começa esse versículo dizendo: “Por isso vos digo”. Isso quer dizer que aquilo que Senhor Jesus está para falar é uma conclusão do que Ele havia falado anteriormente, ou seja, antes de nos convidar a agir, ele nos convoca a pensar. Convida-nos a examinar clara e friamente as alternativas que foram expostas, pensado-as cuidadosamente [5].

O Evangelho e a sua mensagem devem ser analisadas. Não é pecado pensar. Aliás, o Senhor nos convida a servi-lo calculando o valor do discipulado (Lc 9.57-62). O apóstolo Paulo nos diz que o nosso culto deve ser um culto racional (Rm 12.1). David Martyn Lloyd-Jones diz que Cristo não se contentou meramente em estabelecer princípios, dar-nos uma ordem ou mandamentos. Antes, nos dá argumentos e oferece-nos razões. Ele apresenta estas coisas para serem apreciadas pelo nosso bom senso. Uma vez mais somos lembrados que Ele está apresentando a verdade diante do nosso intelecto. Jesus não se preocupou somente em produzir uma determinada atmosfera emocional, mas também raciocina junto conosco. Essa é a grande questão que precisamos aprender. É por esse motivo que Ele começa, novamente, com as palavras “por isso” [6].

Por isso…

1º – Devemos ver a vida com os olhos do Senhor. Isso implica em andar pela fé e não por vista. Assim como os espias que voltaram de espiar a terra de Canaã, devemos ver o melhor que o Senhor tem para nós. No entanto, devemos tomar cuidado para não fixarmos os olhos nas dificuldades, mas na possibilidade da vitória. Para que possamos ver o que o Senhor tem para nós, devemos em primeiro lugar ter a visão dEle e, em seguida, abrir mão da nossa visão. O que os nossos olhos veem podem nos levar ao total engano.

Não sei se você sabe, mas a águia possui oito vezes mais células visuais por centímetro cúbico do que o ser humano. Tal fato se traduz por habilidades espantosas. Por exemplo, voando à altura de 200 metros a águia consegue detectar um objeto do tamanho de uma moedinha, movendo-se na grama de 15 centímetros de altura. A águia pode enxergar um peixe de oito centímetros saltando num lago a oitenta quilômetros de distância. A visão espiritual nos leva a ver o que os olhos naturais não veem (1Co 2.14-16).

Por isso…

2º – O Senhor nos proíbe de vivermos ansiosos (Mt 6.25, 31, 34). Ao lermos esse texto, a ideia que muitos têm é que não temos que nos preocupar com nada. Não é isso que o texto nos diz. Jesus em momento algum disse que devemos desprezar as necessidades do nosso corpo. Que não precisamos cuidar dele. Afinal nós somos o templo do Espírito Santo (1Co 6.19) e precisamos cuidar dele (Ef 5.29). Nem tampouco proíbe a previdência quanto ao futuro. Devemos pensar no amanhã, pois afinal de contas devemos nos prevenir quanto às adversidades que a vida pode apresentar.

O Senhor também não nos isenta de ganharmos a própria vida, de trabalharmos para termos o nosso pão de cada dia. Embora nunca nos esquecendo de que este pão procede do Senhor que o coloca em nossa mesa. Outro detalhe importante, a falta de ansiedade não nos isenta das dificuldades que a vida oferece. O Senhor nos deixou um aviso importante em João 14.1: “Não se turbe o vosso coração”. E em João 16.33 Ele nos diz:“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.

A ansiedade que o Senhor proíbe é a ansiedade que nos leva a desacreditar no Seu cuidado. É a preocupação excessiva com o dia de amanhã. O psicólogo Rollo May chama esse tipo de ansiedade de “Ansiedade Neurótica”. A maioria das ansiedades neuróticas provém de conflitos psicológicos subconscientes. A pessoa se sente ameaçada como por um fantasma; não sabe onde se encontra o perigo, como combatê-lo e dele fugir. E ele diz que quando um indivíduo sofre de ansiedade durante um prolongado período de tempo fica com o corpo vulnerável a doenças psicossomáticas. Esta é o denominador comum psicológico das perturbações psicossomáticas, tais como úlceras, várias formas de afecções cardíacas, etc. A ansiedade é, em suma, a forma contemporânea da peste branca (tuberculose) – a maior destruidora da saúde e do bem-estar humanos [7]. Essa é a ansiedade que o Senhor nos proíbe de termos, pois tal ansiedade na verdade é falta de fé. É uma total falta de confiança do cuidado do Senhor por cada um de seus filhos amados. Veja o que o autor de Hebreus nos fala:

“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6).

Veja o que Paulo nos fala em Filipenses 4.6:

“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças”.

E o que apóstolo Pedro em sua primeira carta nos fala assim também:

“Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”(1Pe 5.6,7).

Quem busca riquezas pensa que o dinheiro resolverá todos os problemas, quando, na verdade, trará ainda mais problemas! As riquezas materiais criam uma sensação falsa e perigosa de segurança, a qual termina em tragédia [8]. E isso gera ainda mais ansiedade.

EM TERCEIRO LUGAR, PARA VENCERMOS A ANSIEDADE DEVEMOS ENTENDER QUAIS SÃO OS VERDADEIROS VALORES DA VIDA (Mt 6.26-31).

É assustador observar quantas pessoas parecem viver inteiramente dentro desses estreitos limites: alimento, bebida e comida. Como dizia a Dona Bela da Escolinha do Professor Raimundo: “Só pensa naquilo”. Tem gente assim. Só focam nas coisas desta terra e se esquece por completo das coisas celestiais. Pessoas assim adoram a mamom e não a Deus. Confiam no cuidado de mamom e desacreditam do cuidado do Senhor.

Por isso que a partir daqui o Senhor começa a fazer um paralelo mostrando o que na verdade tem valor e de quanto o nosso Deus tem cuidado dos seus. E Ele nos mostra isso através da observância. Do aprendizado. Do ver o cuidado de Deus pelas coisas mais simples que existem: as aves que Ele alimenta, as flores que Ele veste de beleza e da vida que Ele dá.

1º – O Senhor mostra o quanto o Pai cuida das aves (Mt 6.26). Deus é o nosso Pai, e se o nosso Pai cuida tanto das aves do céu, com as quais está relacionado somente através da Sua providência geral, quão maior, necessariamente, deve ser o Seu cuidado por nós. Um pai terreno pode mostrar-se bondoso, por exemplo, para com os pássaros e os animais; mas seria inconcebível um homem prover sustento para meras criaturas e, ao mesmo tempo, negligenciar seus próprios filhos [9]. Veja o próprio exemplo que o Senhor nos da em Mateus 7.7-11:

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á. Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?”

Lucas 11.11-13 nos diz:

“Qual dentre vós é o pai que, se o filho lhe pedir [pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir] um peixe, lhe dará em lugar de peixe uma cobra? Ou, se lhe pedir um ovo lhe dará um escorpião? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?”

O Senhor deixa claro que nós valemos mais do que as aves, embora Ele não deixe que nenhuma delas morra sem o Seu consentimento: “Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai” (Mt 10.29);  e por isso o Pai irá cuidar de cada um de nós muito mais. Só que há um pequeno detalhe aqui, as aves saem pela manhã para procurar o seu alimento e cabe a cada um de nós buscarmos recursos para pôr o alimento em nossa mesa.

2º – O Senhor mostra o quanto o Pai cuida das flores (Mt 6.28,29). Jesus nos manda observar o cuidado que o Pai tem para com flores e o quanto as “vestem” de pura beleza. O Senhor nos manda “considerar” (observar bem) o Seu cuidado.

As flores que cresciam no campo não eram cuidadas pelos homens e eram consideradas de pouco valor. Se o campo fosse ser preparado para ser plantado, a hera era cordata ou queimada, e todas as flores também teriam o mesmo destino. A despeito do reduzido valor das flores, Deus cuida delas, providenciando-lhes belíssimas vestes. Ora, se Deus assim age no tocante à criação física, por acaso não cuidará, nesse particular, de seus próprios filhos? [10].

Há em muitas pessoas uma preocupação exacerbada com coisas que não deveriam tomar a nossa mente. E uma dessas preocupações é com as vestes. Há pessoas que já não tem onde por as roupas que tem e toda vez que vai sair diz que não tem roupa. Isso parece até brincadeira!

Muitas pessoas não vestem roupas, vestem uma grife. Observe a moda, por exemplo. Todos se vestem iguais. E a cada ano tem uma moda diferente, e toda vez que ela muda tem que se mudar o “guarda roupa”, afinal temos que andar na moda.

Interessante é que o tempo passou, mas o ser humano continua o mesmo. Nos tempos antigos, as pessoas eram avaliadas pelas roupas que usavam e possuíam. Tanto que nos tesouros orientais incluíam-se vestes de alto preço.

No entanto, o Senhor nos diz que nem Salomão com toda a sua glória se vestiu como qualquer deles. As vestes manufaturadas de Salomão não se comparam as vestes que o Senhor dá as flores mais simples.

Por esse motivo o Senhor nos diz que não devemos viver preocupados com esse tipo de coisa. É inútil. É desperdício de tempo. É desacreditar do cuidado de Deus (Gn 3.21).

Por isso que o Senhor falou a respeito de “homens de pequena fé”. Essa pequena fé se limita a salvação e não inclui a vida inteira do crente, e tudo que está envolvido nessa vida. Há pessoas que creem que irão para o céu, e estão certos em crer assim, mas desacreditam de todas as promessas de Deus para nós.

3º – O Senhor mostra que o dom da vida pertence ao Pai (Mt 6.27). Jesus deixa claro aqui que a ansiedade pode antecipar a morte e não prolongar a vida; e que a preocupação com ela não irá fazer com a morte não nos alcance quando chegar a nossa hora.

A palavra côvado era uma medida de comprimento de 45 centímetros. No entanto, a ideia que se tem aqui não é de estatura, mas de duração da vida. Em outras palavras, o Senhor está nos dizendo que nenhuma preocupação irá fazer com que a nossa vida seja mais longa. A vida é dom de Deus. A vida e a morte estão em Suas mãos. Não temos que viver preocupados como e quando iremos morrer, mas devemos estar preocupados como temos vivido.

EM QUARTO LUGAR, PARA VENCERMOS A ANSIEDADE DEVEMOS DESCANSAR NOS CUIDADOS DO SENHOR (Mt 6.31-34).

Se há algo que uma pessoa ansiosa não faz nunca é descansar. Não há paz em sua vida. Não há tranquilidade no seu viver. A preocupação com as coisas materiais nos faz viver como pagãos. Por isso, tome cuidado. Não quero dizer com isso que não podemos nos preocupar, o que eu quero dizer é que devemos confiar no Senhor e crer que Ele continua e continuará no controle de tudo.

Por que podemos descansar nos cuidados do Senhor? Nesses últimos versos o Senhor Jesus nos dá três razões básicas e porque não dizer lógicas.

1º – Porque o Pai conhece todas as nossas necessidades (Mt 6.31,32). Vencemos a ansiedade quando confiamos em Deus. A fé é o antídoto para a ansiedade. Deus nos conhece. Ele nos ama. Ele é o nosso Pai. Ele sabe do que temos necessidade. Se pedirmos um pão, ele não nos dará uma pedra; se pedirmos um peixe, ele não nos dará uma cobra. Nele vivemos e nele existimos. Ele é o Deus que nos criou. Ele é o Deus que nos mantém a vida. Ele nos protege, nos livra, nos guarda, nos sustenta.

Em suma, tudo o que você necessita não irá te faltar. Pode ser que o que você necessita não seja o que você deseja, aí é outra coisa. Como diz uma das frases da música “Trem Bala: “Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu. É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu”.

2º – A nossa única prioridade é buscar o Seu Reino e a Sua justiça (Mt 6.33). Nada menos do que Deus e seu Reino devem ocupar a nossa mente e o nosso coração. O nosso problema não é fazer investimentos, mas fazer investimentos errados. Somos desafiados a buscar uma riqueza que não perece. A ajuntar tesouros não na terra. A colocarmos nosso dinheiro, nossos bens, nossa vida a serviço de Deus e do seu Reino, em vez de vivermos ansiosos ajuntando tesouros para nós mesmos.

O maior investimento que podemos fazer não é nas coisas aqui de baixo, da terra, mas nas coisas lá do alto onde Cristo está assentado.

3º – Porque assim como o Pai cuida de nós hoje Ele irá cuidar amanhã (Mt 6.34). A preocupação com o amanhã não ajuda nem o dia de hoje nem o de amanhã. Antes nos priva de nosso vigor no dia de hoje – o que significa que teremos ainda menos energia no dia de amanhã. Alguém disse que a maior parte das pessoas crucifica-se entre dois ladrões: os remorsos de ontem e as preocupações de amanhã. É correto planejar e até mesmo economizar para o futuro (2Co 12.14; 1Tm 5.8), mas é pecado preocupar-se com o futuro e permitir que o amanhã nos prive das bênçãos de hoje [11].

CONCLUSÃO

O Senhor nos diz que quem vive com tal ansiedade é gentio, ou seja, é o ímpio que não conhece ao Senhor. É aquela pessoa que vive olhando para as coisas dessa terra e não sabe que existe um Deus que tudo faz por aqueles que o servem. Como nos fala Isaías 64.4: “Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro Deus, além de ti, que trabalha para aqueles que nele esperam” (NVI).

Mas nós não somos gentios. Por isso buscamos o Seu Reino e a Sua justiça e cremos que aquilo que os gentios chamam de bênção nós iremos chamar de acréscimo. Pois é exatamente o que essas coisas são. Por isso que devemos buscar primeiro o Reino e a Sua justiça, essa é a prioridade de todo crente, o resto é o resto.

Pense nisso!

Fonte:

1 – Stott, John R. W. A Mensagem do Sermão do Monte. ABU Editora, São Paulo, SP, 1986: p. 164.

2 – MacArthur, John. Escravo, A Verdade Escondida sobre nossa Identidade em Cristo. Editora Fiel, São José dos Campos, SP, 1ª Reimpressão 2014: p. 20.

3 – Champlin, R. N. O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo, vol. 1, Editora Candeia, Cidade Dutra, Interlagos, SP, 10ª Reimpressão, 1998: p. 326.

4 – Stott, John R. W. A Mensagem do Sermão do Monte. ABU Editora, São Paulo, SP, 1986: p. 164.

5 – Ibid, p. 166.

6 – Lloyd-Jones, D. Martyn. Estudos no Sermão do Monte. Editora Fiel, São Paulo, SP, 1984: p. 392.

7 – May, Rollo. O Homem à Procura de si Mesmo. Editora Vozes, Petrópolis, RJ, 15ª Edição, 1989: p. 31, 36.

8 – Wiersbe, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo, Novo Testamento 1, Editora Geográfica, Santo André, SP: p.33.

9 – Lloyd-Jones, D. Martyn. Estudos no Sermão do Monte. Editora Fiel, São Paulo, SP, 1984: p. 401.

10 – Champlin, R. N. O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo, vol. 1, Editora Candeia, Cidade Dutra, Interlagos, SP, 10ª Reimpressão, 1998: p. 328.

11 – Wiersbe, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo, Novo Testamento 1, Editora Geográfica, Santo André, SP: p.33.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.


Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.