Nunca julgue a Deus por eventos isolados

Posted by Stand to Reason in APOLOGÉTICA

eventosisolados

Por Tim Barnett

Traduzido por Anderson Rocha – Artigo original aqui.

Sempre que uma pergunta começa com as palavras: “Por que Deus não…” minha resposta mais comum inicia com as palavras, “Eu não sei”. 

No mês passado, eu estava palestrando ao norte de Ontário sobre o problema do mal em um evento de divulgação. Durante o período de perguntas e respostas, uma mulher cristã sentada na segunda fila perguntou: “Por que Deus não impediu minha filha de se envolver num acidente de carro recentemente?”

Minha resposta foi sincera e direta ao ponto. “Eu não sei”, disse a ela.

Não sei por que Deus permite incidentes pessoais dolorosos e sofridos em nossas vidas. Deus não me deu essa informação específica. Só Deus sabe.

Isso pode não ser uma resposta muito satisfatória. Entendo. Mas é uma resposta honesta.

Agora, eu acredito que existam razões pelas quais Deus permite a dor e o sofrimento em nossas vidas. Filósofos freqüentemente as chamam de razões moralmente suficientes. Nós temos algumas dessas razões na Escritura. Por exemplo, Deus pode permitir que o sofrimento teste e edifique nossa fé (Tiago 1: 2-4), forme perseverança, caráter e esperança (Romanos 5: 3-5), julgue (Gênesis 6: 5-7), discipline (Hebreus 12:11), e adverta o mundo do julgamento final iminente (Lucas 13: 4-5).

Estas são razões gerais pelas quais Deus pode permitir o sofrimento. No entanto, não podemos presumir que conhecemos o propósito específico do sofrimento em nossas próprias vidas e nas vidas dos outros. Não estamos em condições de fazer isso. Mas só porque não conhecemos o propósito do sofrimento, não significa que não haja um.

Se você é pai, provavelmente teve a infeliz experiência de segurar seu filho enquanto um médico o espeta com uma agulha. Isso pode ser uma experiência traumática tanto para os pais quanto para as crianças. É doloroso ver seu filho te olhando com uma expressão que diz aos gritos, Por que você está permitindo que ele faça isso comigo?

A criança não entende que esse sofrimento temporário se destina a um bem maior.

Eu acho provável que algo parecido aconteça quando Deus permite dor e sofrimento em nossas vidas. E essa explicação é perfeitamente consistente com o que a Bíblia ensina.

Deixe-me mostrar dois exemplos da Escritura e, em seguida, concluir com um princípio geral.

Exemplo # 1: O sofrimento de José

José padeceu sofrimento. Ele cresceu em uma casa odiado por seus irmãos (Gênesis 37: 4). Na verdade, eles planejaram matá-lo, mas decidiram vendê-lo como escravo (Gen. 37:18, 28). Depois de ser levado para o Egito, foi vendido para um egípcio chamado Potifar. José trabalhou para ser o superintendente da casa de Potifar, apenas para ser falsamente acusado de tentar seduzir a esposa de Potifar (Gen. 39). Como resultado, José foi jogado na prisão por um crime que não cometeu. Ele passaria dois anos na prisão do rei antes de ser libertado por Faraó (Gn 41: 1).

José experimentou um tremendo sofrimento nas mãos de outros. Se algum de nós estivesse na situação de José, provavelmente faríamos uma série de perguntas começando com as palavras: “Por que Deus não…?”

Por que Deus não impediu os irmãos de José de vendê-lo como escravo? Por que Deus não impediu a esposa de Potifar de trazer alegações falsas? Por que Deus não deixou José fora da prisão? Você entendeu a ideia.

No entanto, neste caso, não precisamos especular por que José experimentou esse sofrimento. José explicitamente nos diz o motivo. Falando a seus irmãos, José diz: “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida” (Gênesis 50:20).

José pôde espiar por detrás da cortina, por assim dizer, e ver o que Deus estava fazendo através de tudo. Deus usou a situação de José para o bem – advertir faraó sobre uma fome muito severa que estava chegando à terra do Egito. Por consequência, eles foram capazes de armazenar comida suficiente para salvar a vida de muitos, incluindo os próprios irmãos de José.

Exemplo # 2: O sofrimento da Igreja primitiva

Recentemente, eu estava lendo o Livro de Atos e percebi algo que eu não tinha percebido antes. Imediatamente após o apedrejamento de Estevão pelos líderes religiosos judeus, aprendemos sobre alguns eventos significativos que ocorreram.

E também Saulo consentiu na morte dele. E fez-se naquele dia uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judéia e de Samaria, exceto os apóstolos. E uns homens piedosos foram enterrar Estêvão, e fizeram sobre ele grande pranto. E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão. (Atos 8:1-3)

Estêvão acabou de ser executado por causa da proclamação do Evangelho. A igreja primitiva em Jerusalém estava agora enfrentando sua maior perseguição. Na verdade, homens e mulheres cristãos estavam sendo arrastados para a prisão. Isso forçou os cristãos a fugir de Jerusalém e a serem espalhados pela Judéia e Samaria.

A igreja primitiva deve ter feito perguntas como: “Por que Deus não impediu o apedrejamento de Estêvão?” ou “Por que Deus não impediu Saulo de assolar a igreja?”, ou “Por que eles persistiram com tal perseguição?”

Neste caso, o propósito de Deus não está escondido. Ele está começando a cumprir o Seu propósito ao enviar o Evangelho.

Antes de Jesus ascender ao céu, disse aos discípulos: “Mas receberás poder quando o Espírito Santo vier sobre vós, e vós sereis as minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até o fim da terra” (Atos 1: 8).

Jesus descreveu que o Evangelho se espalharia de Jerusalém para Judéia e Samaria e, finalmente, até os confins da terra. Mas Ele não disse a eles como isso se espalharia. Atos 8 fornece alguns desses detalhes. O Evangelho está sendo empurrado para toda a Judéia e Samaria.

Existe uma ligação direta entre a perseguição da igreja primitiva e o Evangelho se movendo. Do ponto de vista da igreja primitiva, o sofrimento foi ótimo. As pessoas estavam sendo mortas, presas e deslocadas. Por fora, não parecia bom. Mas, de fato, algo maravilhoso estava acontecendo no meio disso tudo. O Evangelho – a Boa Nova de Jesus Cristo – estava saindo para o mundo como Jesus prometeu.

O princípio

Em ambos os exemplos, vemos como Deus permitiu o sofrimento para Seu propósito final. Em cada caso, teria sido prematuro julgar Deus no meio desses eventos isolados. Nem José nem a igreja primitiva estavam em condições de ver o plano final de Deus, enquanto eventos específicos e isolados estavam ocorrendo. No entanto, havia um plano.

Da mesma forma, não estamos em condição de ver o plano de Deus quando se trata de casos específicos de sofrimento em nossas próprias vidas. Eventos isolados têm uma maneira de nos manter avistados. No entanto, Deus pode estar realizando algo através desses eventos, mesmo que não saibamos o que é.

Então, aqui está o princípio: Nunca julgue o plano final de Deus pelas circunstâncias presentes.

Há algumas questões para as quais nunca obteremos respostas. E é assim como está. Mas há algumas coisas que sabemos.

Nós sabemos que Deus é essencialmente bom. Isso significa que a bondade – a perfeição moral – é um atributo necessário de Deus. Como o maior ser concebível, é melhor ser moralmente perfeito do que moralmente falho. A bondade pertence ao conceito de Deus da mesma maneira que aos não casados pertence ao conceito de ser solteiro.

Nós também sabemos que Deus demonstrou que pode trabalhar até as circunstâncias mais sombrias e miseráveis para o seu propósito final. Portanto, ao invés de provocar a Deus por conta das circunstâncias atuais, devemos recorrer a Deus e confiar Nele para que trabalhe em prol de seu propósito final.

Texto traduzido por Anderson Rocha, em 28/11/2017

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 You can leave a response, or trackback.


Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.